O Rio de Janeiro já passou da ‘beira do caos’

O Relato a seguir, é de quem morou por muitos anos no entorno da Tijuca, e conhece bem a realidade carioca. Eu morei em Vila Isabel, bairro tradicional e boêmio da boa vida tijucana, que faz divisa com os bairros do Andaraí, Grajaú, Maracanã e Alto da Boa Vista.

Estes bairros juntos, são chamados de bairros de ‘A Grande Tijuca’ e todos tem a mesma administração da Sub-Prefeitura da Tijuca, e já na época em que eu morei ali, os altos índices de violência já eram alarmantes, e estou falando dos anos de 2000 a 2009, e nos dias atuais a situação do entorno da Tijuca já passou à ‘beira do caos’ para a Guerra, apesar de as autoridades tentarem esconder o fato, a verdade é que a Grande Tijuca vive uma espécie de guerra civil não declarada, ante aos elevadíssimos casos de violência que teimam em repetir-se diariamente. Eu morava na tradicional rua Visconde de Santa Isabel. A foto de capa desse editorial, é a prisão em flagrante de ladrões que trocaram tiros com a polícia, na noite de ontem (22). Todos os dias tem mortes, assaltos, sequestros, roubos, furtos e tiroteios.

Por exemplo, o meu próprio filho mais velho, Brenno, foi assaltado recentemente na porta de seu condomínio na Tijuca, por um ladrão armado com uma faca e tudo foi registrado pelas câmeras de segurança, as 19 horas da noite.

Acordo neste sábado (23) e ao ler alguns jornais cariocas (sou viciado em notícias, eu leio pelo menos 10 jornais todas as manhãs), me deparo com as seguintes manchetes, de um mesmo jornal:

1 – Bandido é baleado ao tentar roubar carro em Vila Isabel

2 – Bandidos trocam tiros com a polícia durante perseguição no Grajaú

3 – Homem morre esfaqueado na Tijuca

E todas essas manchetes de capa de um mesmo jornal: O DIA (Foto abaixo).

É assustador perceber que a violência só tem crescido na Grande Tijuca, berço de ilustres cariocas como Noel Rosa, Bibi Ferreira, Tim Maia, Erasmo Carlos, Martinho da Vila, Ivan Lins, Jor Ben Jor, Roberto Marinho, Nelson Piquet, Milton Nascimento, Tom Jobim, Zagallo, Lamartine Babo, Gonzaguinha entre outros… Em comuns à todas essas celebridades, terem nascido em bairros da Grande Tijuca.

Eu me recordo, no início dos anos 90, quando eu ainda fazia parte da torcida Força Jovem do Vasco e frequentava o Maracanã para assistir aos jogos do Gigante da Colina, a paz e a tranquilidade que era passear pela boêmia tijucana… Depois dos jogos, geralmente nos reuníamos no Bar Amarelinho do Grajaú para comemorar as vitórias com Guaraná, Torresmo, bolinho de Bacalhau e Coxinha de Galinha (Eu nunca fui de beber cerveja). O mais prazeroso era estar entre amigos, batendo papo descontraidamente em rodas de piadas e música. E é claro, o assunto era Futebol.

Ficávamos ali ate 02 ou 03 horas da manhã e podíamos ir para as nossas casas em paz e em segurança. Hoje, até sob o sol de meio-dia é perigoso você tomar um tiro, ser assaltado ou sequer voltar vivo para casa.

Léo Vilhenna
Comentarista Político