Pastores Assassinos, merecem a cadeira elétrica

Eu escuto frequentemente frases sobre uma suposta inteligência que eu exacerbo em troca de conversas, em meu ambiente de trabalho e até em minhas relações interpessoais, canso de ouvir que ‘sou muito inteligente’, mas definitivamente eu não concordo com isso e não me sinto um ser dotado de uma inteligência acima da média como muitos me atribuem essa definição, e digo isso por que? Baseado em que eu digo isso?

Porque eu jamais vou entender certas coisas nessa vida, e uma delas é justamente essa: Como podem os pais estuprarem, matarem (colocando fogo no quarto e queimando os filhos vivos) e ainda por cima se fazerem de vítimas?

Para piorar esse cenário, esses ‘pais’ são pastores evangélicos! E não estou falando de algo que aconteceu no Iraque, essa monstruosidade aconteceu aqui no Brasil, em Linhares, Espirito Santo.

Eu posso me expressar e dar a minha opinião baseado em 3 fundamentos: Sou pai de 5 filhos e 2 enteadas, sou jornalista e tenho a ‘mania’ de falar o que penso e a verdade e sou pastor ordenado e consagrado a 22 anos.

E como ex-policial civil do Rio de Janeiro (e por acaso eu trabalhava numa equipe que combatia abusos sexuais, na zona sul do Rio), eu digo em alto e bom som: Me dê 5 minutos sozinho numa sala com esse ‘pastor’ babaca chamado George e ele sai de lá convertido e arrependido de seus pecados. Mas que a sala não tenha câmeras, microfones e que fora da sala tenha 3 papa-defuntos para recolherem o que sobrar desse imbecil covarde.

Eu não estou nem aí para o que você vai pensar desse editorial, se não gostou, não leia e não me siga mais em meus editoriais, mas é inadmissível que um ‘pai’, ‘pastor’ e ‘guardião’ de crianças faça isso com o seu próprio filho. Merece muito mais do que a cadeira elétrica: merece sofrer como fez com os seus filhos.

Eu não estou revoltado, pois já passei e superei esse nível de inconformidade, na verdade, eu não sei adjetivar o que eu estou sentindo nesse momento, e lembro muito bem do que o meu delegado, não vou citar o nome dele pois já faleceu, me disse em 2002: Se você entrar aqui na delegacia mais uma vez, com um verme estuprador de crianças, quem vai precisar de atendimento médico é você.

Nunca esquentei para julgamentos e muito menos agora, mesmo que você venha achar que eu estou errado e posso afirmar: Não confio os meus filhos a ninguém, pois vivemos dias em que até ‘pais’ e ‘pastores’ estupram crianças e filhos, os queimam vivos, se fazem de vítimas e tudo isso para promover uma igreja aqui no Brasil. Hoje em dia, parentes, amigos e pastores não são confiáveis para cuidarem dos nossos filhos.

Se você não sabe do que eu estou falando, clique AQUI.

Léo Vilhenna
Só vai discordar desse editorial, os HIPÓCRITAS que nunca tiveram um filho abusado sexualmente… Se um dia o seu filho ou a sua filha passarem por esse drama, sua ‘cabeça’ muda rapidamente e você passará a ser favorável a pena de morte. Não percam o seu tempo de me enviarem E-mail HIPÓCRITAS discordando desse editorial, pois vou joga-los na lata de lixo do banheiro, para onde são enviados os papeis de merda…